segunda-feira, 15 de julho de 2013

Ufos atrapalham vôo de dois aviões comerciais russos


Dois aviões russos de passageiros obrigados a mudar de rota devido a OVNI
De acordo com a Interfax e publicado no siteurgente24.com, dois aviões comerciais russos foram obrigados a mudar de rota devido a aproximação de um objeto desconhecido na noite de terça-feira passada (09), sobre as águas neutras do Mar do Japão.
A Força Aérea Russa de Lejano Oriente enviou dois caças para inspecionar a região, mas estes retornaram sem ter encontrado nada suspeito.
A agências de informações comunicaram que o voo do objeto desconhecido não constava nos órgãos e serviços correspondentes.  As empresas aéreas envolvidas no incidente são a Aeroflot e a SAT Airlines.
Uma fonte próxima ao exército russo comentou que os aviões civis retornaram ao seus pontos de origem, assim evitando o perigo potencial para seus passageiros.
Logo, nas esferas militares, surgiu a versão de que o objeto poderia ter sido uma nave não tripulada, ou uma nave militar.  O incidente ocorreu somente há alguns dias do início dos exercícios militares conjuntos entre a China e a Rússia.  Para esses exercícios, ambas as partes destinaram 18 embarcações militares, um submarino, vários helicópteros e aviões, assim como brigadas especiais.  As simulações se estenderam pelo período de uma semana.
Há um mês, um Boeing 757 da Air China foi obrigado a suspender seu voo com origem na cidade de Shuangliu para Guangzhou.  Vinte minutos após alçar voo, os pilotos sentiram uma forte pancada, seguida de problemas no sistema de direção, forçando-os a regressar imediatamente ao aeroporto de origem.  Felizmente ninguém ficou ferido no incidente, embora o ‘nariz’ da aeronave tenha sido danificado com o impacto.
O porta voz da Air China declarou que um pássaro havia atingido a aeronave, embora após 20 minutos de voo o aparelho já tinha alcançado de oito a dez mil metros de altura, e à essa altitude é pouco provável que teriam se chocado com um pássaro.
Matéria retirada do site Ovnihoje.com 

Por David Mattos, Portal Atlantis.

0 comentários:

Postar um comentário